O Turismo Religioso como forma de desenvolvimento regional

Por Luciana Gaspar Macrini

 

O Turismo religioso, a exceção dos outros tipos de turismo, tem como motivação principal a fé. Para entendermos melhor esta modalidade de turismo

, utilizaremos a definição da EMBRATUR (Empresa Brasileira de Turismo) que o define como: atividades turísticas decorrentes da busca espiritual e da prática religiosa em espaços e eventos relacionados às religiões institucionalizadas e acontece em locais de importância religiosa como a Basílica de Aparecida e Jerusalém ou em períodos estabelecidos como a comemoração de festas religiosas como a Festa do Senhor do Bonfim dentre outros, geralmente essas pessoas viajam para homenagear uma figura sacra como santos e padroeiros, agradecer preces atendidas e, até mesmo, pagar penitências e reunir pessoas de uma mesma religião como a Jornada Mundial da Juventude.

Por todo o mundo, cidades com características religiosas atraem visitantes em busca de experiências ligadas à fé, religiosidade e à esperança, como o Vaticano para os católicos romanos, Meca para os islâmicos, e Jerusalém, cidade santa para os judeus, islâmicos e cristãos.

Existem diferentes tipos de viagem com motivos religiosos, como a Romaria, na qual os romeiros, que segundo a tradução encontrada nos dicionários significa o nome dado a pessoa que viaja para uma determinada cidade a fim de pagar uma promessa a um determinado santo e outros vão aos destinos sagrados apenas para conhecer a religião e o local.

Pesquisas realizadas pelo Ministério do Turismo, revelaram que o nordeste é a região onde o turismo religioso é o segundo tipo de turismo mais comercializado (atrás de sol e praia). Além disso, em 2006, 3,2% do total de turistas nacionais, viajaram por motivação religiosa e, 0,4% dos turistas estrangeiros também apontaram a religião como o fator que os traziam ao Brasil. As pesquisas relacionadas a esse segmento, mostram ainda que todos os anos são realizadas aproximadamente 1,7 milhão de viagens religiosas gerando R$ 6 bilhões em negócios realizados. Só na cidade de Aparecida (SP), a movimentação de visitantes ao Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida é de 7 milhões de pessoas todos os anos no feriado de 12 de outubro.

Aparecida - SP

 2014-09-20 09.20.52

 

Aparecida, em São Paulo, é o local que mais de destaca no turismo religiosos brasileiro. O município de Aparecida está localizado no interior do Estado de São Paulo, na microrregião de Guaratinguetá, a cerca de 180 km do município de São Paulo e surgiu graças a um milagre em 1717, com o aparecimento da imagem de Nossa Senhora da Aparecida. Hoje a cidade vive do comércio movimentado pela visita de pessoas de todas as partes do país e até do mundo, que se dirigem à cidade para agradecer ou pedir graças à santa que se tornou a Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

Sede do Santuário Nacional, a localidade possui vários prédios antigos, seminários, outras igrejas e pontos turísticos, e ainda conta com infraestrutura adequada para atender os romeiros de todos os lugares que ali chegam.

A Basílica de Nossa Senhora Aparecida e é o segundo maior templo católico do mundo, menor apenas do que a Basílica de São Pedro, no Vaticano. O local oferece aos turistas lojas que vendem produtos religiosos, uma padaria própria dentro do vaticano, lojas de souvenir e artesanatos de todos os tipos, restaurantes, lanchonetes, sanitários, teleférico, parque de diversão e até mesmo um aquário natural para diversão das crianças. Tudo muito bem organizado e realizado de forma profissional. Isso sem contar com os milhares de leitos disponíveis na cidade e das várias lojinhas que vendem desde roupas a relógios e brinquedos.

O Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida é visitado anualmente por aproximadamente doze milhões de romeiros de todas as partes,estima-se que em média, cada romeiro ou visitante gaste cerca de R$ 120 durante o passeio. Significa dizer que, por ano, a economia do turismo da fé injete em Aparecida algo em torno de R$ 1,4 bilhão, 14 vezes o orçamento do município.

Com as lembrancinhas religiosas – que podem ser compradas em centenas de barraquinhas ou nas lojas de um imenso galpão com cara de “shopping da fé” –, cada peregrino desembolsa pelo menos R$ 20, de acordo com os últimos levantamentos, já defasados. Nos arredores do santuário, a hospedagem mais barata não custa menos que R$ 200 por dia, um verdadeiro negócio que rende bilhões de reais.

Consolidada como o principal centro de peregrinação do país, Aparecida se prepara para ser inserida no roteiro do turismo religioso internacional. O número anual de visitantes da cidade é o dobro do registrado em Fátima (Portugal) e em Lourdes (França), onde as somas não passam de 5 milhões e 6 milhões, respectivamente. “O mundo precisa conhecer Aparecida”, defende o presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio.

Aos poucos, a iniciativa privada vai descobrindo as divinas oportunidades, hotéis, restaurantes, lojas e até atrativos e atividades turísticas como no caso do teleférico, tudo movido pela fé.

 

Senhor do Bonfin – Natividade - TO

 Captura de Tela 2014-10-30 as 21.41.38Captura de Tela 2014-10-30 as 21.42.50

Foto: Fernando Alves

 

 Tradicional no Tocantins, a Romaria do Senhor do Bonfim é a maior manifestação religiosa do Estado, e acontece no mês de agosto, no povoado do Bonfim, no município de Natividade, a 200 quilômetros de Palmas. Em Natividade, a romaria remonta ao século XVIII, com a formação dos primeiros arraiais. 

A festa tem duração de 11 dias, e tem como ponto alto, a celebração da missa campal ‘Missa dos Romeiros’ e o ‘adeus ao Senhor do Bonfim’. Senhor do Bonfim, segundo a devoção católica, é uma figuração de Jesus Cristo em que este é venerado na visão de sua morte. No povoado de Bonfim, vivem cerca de 100 pessoas, chegando a receber 60.000 fiéis durante o festejo. 

Ao contrário da luxuosa Aparecida o pequeno povoado do Bonfim não possui estrutura alguma e todos os anos surgem do nada um imenso acampamento que reúne milhares fiéis de várias partes do Estado e de outras regiões.

Roupas, comidas, bugigangas e todo o lixo que essas atividades geram se misturam em meio às boates, bares e missas que acontecem durante todo o evento. Caminhões, carros e ônibus repletos de pessoas ocupam os espaços reservados para recebe-los. Pessoas que muitas das vezes guardam seu dinheiro o ano todo para fazer comprar e se divertir durante a festa. Uma mistura do Santo e do Profano, realmente um fenômeno com muito ainda a se explorar e conhecer.

Embora não hajam pesquisas e números publicados pela Agencia de Turismo do Estado - ADTUR, segundo os organizadores do evento, estima-se que esta festa movimente cerca de 21 milhões de reais com o comércio local.

Conhecendo a realidade das duas localidades onde a motivação de seus visitantes é a mesma, a fé e a devoção, mas com realidades totalmente diferentes, fica a dúvida de como transformar nossa potencialidade em desenvolvimento do turismo no Estado. Espera-se que com o recurso de cerca de 4 milhões em emendas parlamentares previstos para infraestrutura do local consiga-se aprimorar a forma na qual estamos recebemos nossos visitantes e romeiros no Bonfim, pois há muito que ser feito.

Esforços como a do SEBRAE neste último ano na realização da festa, com capacitações, padronização dos espaços e serviços são de extrema importância, porém a responsabilidade se estende a vários outros setores do trade turístico que ainda não se atentaram para isso. É essencial a realização de estudos e pesquisas para conhecer melhor o perfil do turista e desenvolver estratégias de atração de novos, criação e promoção de roteiros turísticos que façam com que aumente a permanência no local e a criação de infraestrutura adequada.

Mesmo acontecendo uma vez por ano, se planejada e articulada a romaria pode atrair ainda mais pessoas, utilizando a estrutura não só de Natividade e do Bonfim, mas também de cidades vizinhas, movimentando assim a economia local, chegando quem sabe ao patamar de uma Aparecida daqui há alguns anos, claro, desde que seja levado á sério e empenhado o esforço necessário para colher os bons frutos no futuro. Fica a certeza do potencial do turismo religioso na localidade e as dúvidas de como viabilizá-lo de forma profissional e adequada, além da certeza do turismo como uma importante e eficiente ferramenta de desenvolvimento regional sustentável que ainda deve ser descoberto e valorizado pelo Brasil.

 

Referência bibliográfica:

http://www.sppert.com.br/Artigos/Brasil/Turismo/Tipos_de_Turismo/Religioso/Turismo_religioso_no_Brasil/

http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2014/01/27/internas_economia,491949/aparecida-em-sao-paulo-recebe-12-milhoes-de-visitantes-por-ano-e-movimenta-r-1-4-bilhao.shtml

http://www.to.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/TO/Romaria-de-Senhor-do-Bonfim-gera-21-milh%C3%B5es-de-volume-de-pequenos-neg%C3%B3cios

http://www.faetrural.com.br/noticias-659-senar-e-sebrae-apresentam-diagnostico-sobre-turismo-religioso-para-o-bonfim.html